Menu

Diário de Riachão Diário de Riachão Author
Title: PM elucida bárbaro homicídio. Dois foram presos.
Author: Diário de Riachão
Rating 5 of 5 Des:
Riachão-PB Momento em que os acusados chegavam a delegacia Saiba como foi o crime
Riachão-PB


Momento em que os acusados chegavam a delegacia

Saiba como foi o crime


Josuel Ramos dos Santos, de 53 anos de idade, foi morto a pedradas na noite do Domingo - 15 Março - na localidade conhecida como Quixaba, em Riachão.


O crime bárbaro chocou toda a população da região. Michel Jackson, como era conhecido a vítima, não tinha antecedentes criminais e, embora não fosse do município, era querido por muitos.


Sempre descontraído e brincalhão com todos, Michael Jacson foi vítima da violência que campeia nos dias atuais. A vítima foi morto impiedosamente. O motivo do crime foi fútil. Pura banalidade.


Prisão de acusados


Após o homicídio, a polícia Militar da 3ª Cia./Araruna, passou a buscar informações com populares que pudessem levar a desvendar o crime. Com informações em mãos se deu início as investigações e quatro pessoas passaram a ser apontadas como sendo autores do bárbaro homicídio. Na manhã da sexta-feira – 20 de Março – o Capitão PM Silva Ferreira, comandante da 3ª Companhia, comandou as buscas e chegou a três, dos quatros suspeitos.



Edvânio Jacinto Cunha, conhecido como Vando, 36 anos de idade; Edivanildo Pompílio da cunha, 30 anos, vulgo Catemba; ambos residentes no Conjunto Ernani Moura e o menor de idade F.M.C., de 17 anos, residente na Quixaba; todos em Riachão, foram levados para a delegacia em Araruna para serem ouvidos pelo delegado de polícia, Dr. Danilo. O quarto suspeito, João Batista da Costa, não foi encontrado pela polícia.


O menor de idade, narrou com precisão o que ocorreu naquela noite; confessou que estava presente na cena do crime e apontou Vando, Catemba e Batista como sendo autores do assassinato.




Menor de idade

Enquanto os acusados eram ouvidos pela Polícia Civil, o Capitão PM Silva Ferreira, orientado pelo Dr. Danilo, entrou em contato com o Dr. Ricardo Brito, Juiz de Direito da Comarca de Araruna, que tomando conhecimento do depoimento do menor de idade, envolvido no crime, decretou a preventiva de Vando e do Catemba que foram conduzidos para a cadeia pública de Araruna, onde aguardarão a decisão da Justiça. O menor após ser ouvido, foi liberado.


Vando e Catemba negam a acusação e dizem ser inocentes.


Detalhes crime


Tarde de domingo, 15 de Março de 2012. Cobria um evento festivo na casa de um pré-candidato a prefeito naquela cidade. Em minha frente um homem de estatura baixa e cor escura, de boné e vestes simples, dançava como quem dança nas nuvens. Descontraia o ambiente e alegrava os que ali estavam. Não sabia o seu nome, mas me divertia com suas palhaçadas. Todos se divertiam.


Não passei muito tempo ali, mas fiquei o suficiente para memorizar o rosto daquele alegre homem que só na segunda-feira (16), descobriria que se tratava de Michael Jackson.


Noite de domingo. Michael Jackson já estava em casa, mas resolveu sair para a Rua. Sua esposa teria lhe pedido para ficar em casa, mas não foi atendida, e sem um beijo de despedida ou um abraço de adeus, Josuel saiu para nunca mais voltar.


Passavam das 20 horas, quando Josuel chegou a um bar onde alguns homens que saiam de uma partida de futebol ingeriam bebida alcoólica. Já apresentando visíveis sinais de embriaguês Michael Jackson pediu a um homem, identificado como Vando, uma dose da bebida. Vando teria lhe dado a bebida, mas teria alertado para que ele deixasse o local, caso contrário seria agredido. A vítima atendeu o alerta, se afastou do homem, mas não deixou o local. Um outro homem que bebia com Vando, identificado pelo menor de idade, como sendo Batista, teria se aproximado da vítima e lhe dado uma ‘rasteira’ que o derrubou. A vítima teria se levantado e tomado o destino de sua casa. Foi nesse momento que Batista teria chamado os outros três envolvidos no crime para seguir, cercar e matar o Michael Jackson. O plano foi colocado em prática.


Cercado pelos criminosos, Michael Jacson não teve como escapar da emboscada. O menor contou que Batista lhe deu um golpe, tipo gravata, no pescoço da vítima e tentou sufoca-lo. A vítima tentava escapar do golpe, tentava pedir socorro. Já quase desmaiado, Michael Jackson foi Jogado ao chão e golpeado por socos e pontapés.


Os gritos de socorro podiam ser ouvidos a distância. A frase “não me mate”, misturada aos gritos de dores, era repetida incansavelmente. Para adiantar o processo da morte, a vítima foi apedrejada na cabeça até que tivesse parte da massa cefálica exposta e os criminosos tivessem a certeza de que Josuel Ramos dos Santos, o Michael Jackson, estava de fato, morto.


Um silêncio passou a imperar naquele local ermo. Os gritos cessaram; pedidos de socorros deixaram de ser ecoados. Estendido ao chão estava mais uma vítima da violência desenfreada que insiste em campear nos dias atuais.


# Ao Capitão PM Silva Ferreira e seus comandados, em nome da população riachãoense, os parabéns pelo bom serviço prestado aos que mais precisam de segurança; os homens de bem.


 Júnior Campos

Reações:

Sobre o Diário de Riachão

Publicidade

Postar um comentário Blogger

  1. A falta de segurança faz com tais crimes aconteçam.

    ResponderExcluir
  2. Fiquei idignada com essa morte cruel,sou filha do Riachao,mas não resido ai a dez anos, estou triste em saber que minha cidade natal esta tendo crimes barbaros e os criminosos são conhecidos meus; filhos de gente que conheço.

    ResponderExcluir
  3. lugar de bandido é na cadeia.Estou decepcionada com os acontecimentos da minha cidade natal

    ResponderExcluir
  4. falta de segurança como uma cidade tao pequena como o riachaõ ocorrem crimes barbaros .precisa policiamente mais forte

    ResponderExcluir

Comente esta notícia

 
Top