Menu

Diário de Riachão Diário de Riachão Author
Title: Robôs ajudam a achar tesouros avaliados em US$ 2 bi no litoral da Paraíba
Author: Diário de Riachão
Rating 5 of 5 Des:
Paraíba  Um robô mergulhador atrelado a satélites especiais está sendo utilizado pelo Consórcio de Pesquisas Arqueológicas Submarinas ...
Paraíba

 Um robô mergulhador atrelado a satélites especiais está sendo utilizado pelo Consórcio de Pesquisas Arqueológicas Submarinas – Conpas –, para ajudar pesquisadores brasileiros nas buscas a uma carga de ouro, prata e cerâmica depositada há mais de 200 anos no fundo do mar, após o naufrágio do galeão português Santa Rosa e do cargueiro holandês Voetboog. Os dois navios, que conduziam mercadorias hoje avaliadas em US$ 2 bilhões, naufragaram numa faixa oceânica de 85 Km situada entre Pitimbu – PB e o Cabo de Santo Agostinho –PE, atualmente uma área cobiçada por caçadores de tesouros do mundo inteiro.



O Santa Rosa, uma nau capitânia da Marinha Real Portuguesa, afundou no dia 6 de setembro de 1726. Era um dos navios mais equipados da esquadra lusa no Século XVIII. Com uma bateria de 70 canhões de ferro espalhados sobre o convés, ao naufragar o galeão liderava um comboio de 55 caravelas que zarpavam do Brasil colonial carregadas de ouro rumo à Europa.

Supõe-se que a harmonia do comboio foi quebrada por uma discussão a bordo entre os marinheiros e o capitão Bartholomeu Freire de Araújo, criando a oportunidade para alguém descer ao depósito de munição do Santa Rosa, atear fogo num estoque de quatro toneladas de pólvora, e mandar tudo pelos ares. Dos 700 tripulantes somente três sobreviveram. A carga, calculada em mais de 3,5 toneladas de ouro, adernou junto com a embarcação e permanece intacta no fundo do mar até hoje, numa localidade entre o Recife e a Praia de Acaú, em Pitimbu, a 65 Km de João Pessoa.

Duzentos e oitenta e seis anos depois do sinistro, o tesouro do Santa Rosa está sendo investigado com o emprego de satélites, robô submarino e outros equipamentos de alta tecnologia. As pesquisas acontecem nas proximidades do município de Cabo de Santo Agostinho, a 35 Km do Recife, onde pesquisadores do Conpas vasculham o mar a bordo do barco Fantasia, com o objetivo de encontrar o Santa Rosa.
Portal Correio
Reações:

Sobre o Diário de Riachão

Publicidade

Postar um comentário Blogger

Comente esta notícia

 
Top