Menu

O Diário de Riachão O Diário de Riachão Author
Title: Acusado de tortura e assassinato em Pocinhos tem habeas corpus negado pela Câmara Criminal do TJ
Author: O Diário de Riachão
Rating 5 of 5 Des:
A Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Paraíba negou, por unanimidade, habeas corpus com pedido de liminar, que objetivava por em liber...
A Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Paraíba negou, por unanimidade, habeas corpus com pedido de liminar, que objetivava por em liberdade o delegado em comissão aposentado da Polícia Civil, Normando Cavalcante Leal. Ele é acusado dos crimes de tortura e tortura seguida de morte, na comarca de Pocinhos - localizado a 134 Km de João Pessoa. A decisão foi tomada na sessão desta terça-feira (5).

Os crimes aconteceram no dia 17 de dezembro de 2012 e causou grande comoção em toda região do Cariri paraibano. Os meios de comunicação também deram grande repercussão ao caso. Normando Cavalcante também foi chefe da Guarda Municipal de Pocinhos.

Informa os autos que no dia 22 de dezembro do ano passado o paciente tomou conhecimento de sua prisão temporária pela imprensa de Campina Grande. O Juízo de Pocinhos atendeu a representação formulada pelo delegado especial encarregado da apuração dos possíveis fatos criminosos acontecidos naquela comarca, “consistentes de tortura praticada contra dois adolescentes, como ainda o crime de tortura seguida de morte em face de outro adolescentes”. Normando Cavalcante também foi chefe da Guarda Municipal de Pocinhos.

O autos também informam que Normando Cavalcante Leal não foi localizado e o mandado de prisão não foi cumprido, “comprovando a necessidade da medida de exceção”. A Procuradoria-Geral de Justiça, em parecer, opinou pela denegação do habeas corpus.

O desembargador Carlos Martins Beltrão Filho, relator do pedido, informou que a magistrada de primeiro grau salientou que ainda não foram concluídas as investigações, tendo o delegado especial responsável pelo caso solicitado a dilação do prazo para a realização de outras diligências necessárias.

“Conforme consta da decisão vergastada, existem provas suficientes da materialidade delitiva, bem como, fortes indícios da autoria recaindo sobre o paciente”, afirmou Carlos Martins Beltrão Filho.

O magistrado disse, ainda, que as condições subjetivas favoráveis ao paciente, como primariedade residência fixa e trabalho lícito, não obstam a custódia cautelar, “quando presentes os seus pressupostos legais, como se verifica no caso em tela”.

Gecom – Fernando Patriota
Reações:

Sobre o Diário de Riachão

Publicidade

Postar um comentário Blogger

Comente esta notícia

 
Top