Menu

Diário de Riachão Diário de Riachão Author
Title: Miséria ainda é grande no planeta, e enquanto a fome predomina, o mundo joga fora mais de 1 BI de toneladas de comida por ano, diz ONU
Author: Diário de Riachão
Rating 5 of 5 Des:
FAO, agência para agricultura, fez alerta no dia mundial da alimentação. Problema persiste enquanto 842 milhões de pessoas passam fome. ...
FAO, agência para agricultura, fez alerta no dia mundial da alimentação. Problema persiste enquanto 842 milhões de pessoas passam fome.
No dia mundial da alimentação, celebrado nesta quarta-feira (16), a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, a FAO, emitiu alerta global para reduzir o desperdício de comida no mundo, problema que persiste enquanto 842 milhões de pessoas passam fome.



De acordo com o órgão, anualmente um terço dos alimentos produzidos no planeta atualmente vai direto para o lixo, o que equivale a 1,3 bilhão de toneladas por ano. De acordo com Robert van Otterdijk, especialista em agricultura da FAO, com apenas um quarto deste total é possível alimentar os mais de 800 milhões de famintos. Além disso, a agência da ONU informou que mesmo reduzindo pela metade o desperdício de alimentos, seria necessário elevar em 32% a produção mundial de comida para alimentar a população mundial até 2050. Na situação atual, o aumento da produção de alimentos deve ser de 60% para atingir esse objetivo. Mathilde Iweins, coordenadora de um relatório sobre o custo do desperdício de alimentos, disse que “a soma das áreas agrícolas usadas para produzir alimentos que jamais serão consumidos é tão grande quanto o Canadá e a Índia juntos”.

Desnutrição e perda de competitividade Mas, para a FAO, focar no tipo de alimento a ser consumido é tão importante quanto o problema do desperdício, já que a desnutrição e as dietas mal balanceadas impõem altos custos para a sociedade, envolvendo problemas que vão desde as altas despesas relacionadas aos cuidados com a saúde até a perda de produtividade. “Uma em cada quatro crianças no mundo com menos de cinco anos está abaixo do peso ideal”, informou a FAO em um relatório. Isso significa que 165 milhões de crianças são tão desnutridas que nunca alcançarão o máximo do seu potencial físico e cognitivo. Aproximadamente dois bilhões de pessoas no mundo vivem com insuficiência de vitaminas e minerais essenciais para uma boa saúde, enquanto 1,4 bilhão de pessoas estão acima do peso. As crianças com atraso no crescimento podem estar mais suscetíveis ao risco de desenvolver problemas de obesidade e doenças relacionadas à idade adulta, em um ciclo preocupante de desnutrição. Das que estão acima do peso, “cerca de um terço é de obesos e corre o risco de adquirir doença cardíaca coronária, diabetes ou outros problemas de saúde”, informou a FAO. A agência pondera que, apesar de acabar com a desnutrição em todo o mundo “ser um grande desafio, o retorno deste investimento seria alto”. “Se a comunidade internacional investisse US$ 1,2 bilhão por ano durante cinco anos para reduzir as deficiências de micronutrientes, os resultados seriam traduzidos em mais saúde, menos mortalidade infantil e aumento de ganhos futuros”, disse. “Isso geraria ganhos anuais no valor de 15,3 bilhões de dólares”, acrescentou.
Insetos para combater a fome A FAO disse estar particularmente esperançosa em relação a projetos que visam a “elevar o teor de micronutrientes dos alimentos básicos - seja através do 'biofortalecimento' ou do incentivo à utilização de variedades com um teor de nutrientes mais alto”. Espera-se que o consumo de alimentos subutilizados e ricos em nutrientes, como certos insetos, por exemplo, possa se tornar moda. Com a luta contra a desnutrição sendo bem sucedida em alguns países e ficando para trás em outros, a FAO deu exemplos de métodos para ajudar a melhorar os sistemas alimentares. No Vietnã rural, peixes criados em tanques, galinhas usadas como fonte de fertilização e pequenas plantações em jardim reduziram a má nutrição tanto em crianças como em mulheres em idade fértil. Na Etiópia, um projeto envolvendo cabras elevou o consumo de leite e os rendimentos da região, ao ensinar às mulheres uma melhor gestão do animal, inclusive melhorando geneticamente a espécie. A FAO insistiu, porém, que projetos específicos de cada país devem ser apoiados globalmente para conter o desperdício. “Tirar o máximo de alimentos a partir de cada gota de água, pedaço de terreno, grão de fertilizante e minuto de trabalho economiza recursos para o futuro e torna os sistemas mais sustentáveis”, afirma a organização.



Reações:

Sobre o Diário de Riachão

Publicidade

Postar um comentário Blogger

Comente esta notícia

 
Top