Menu

Diário de Riachão Diário de Riachão Author
Title: Vaqueiro foi morto pela esposa que ocultou o corpo com ajuda do filho em um chiqueiro
Author: Diário de Riachão
Rating 5 of 5 Des:
Um homem que, supostamente, estaria à procura de um emprego em Brasília, teve o corpo encontrado em uma cova na área de um chiqueiro de ...
Um homem que, supostamente, estaria à procura de um emprego em Brasília, teve o corpo encontrado em uma cova na área de um chiqueiro de porcos, ovelhas e cabras na zona rural de Salitre.
A trama foi descoberta nesta quarta-feira e toda ela arquitetada pela mulher que teria matado o mesmo e, perante familiares e vizinhos, chorava a “saudade” quando contava que ele tinha viajado para a capital do país. Na verdade, o vaqueiro José Maximiano de Alencar Neto, de 35 anos, o José Neto, estava desaparecido há 26 dias.
Por volta das 6 horas de ontem a polícia desenterrou o cadáver com a ajuda de parentes e vizinhos no Sítio Baixio em Salitre. A Agente Comunitária de Saúde, Luzia Judite do Nascimento, de 49 anos, foi presa e o seu filho menor de 16 anos apreendido para uma conversa com o delegado Sérgio Pereira. Antes disso, toda vez que alguém perguntava por Maximiano, a mulher dizia que ele tinha viajado à Brasília em busca de emprego e só voltaria em um ano a fim de apanhá-la para ir morar na capital do país.

De concreto, ele costumava ingerir bebidas alcoólicas e, certo dia, Judite colocou um comprimido de Diazepan em uma dose de aguardente quando serviu ao mesmo. Momentos depois ela saiu para o terreiro e se deparou com o marido caído achando que estivesse embriagado. Daí, teria enrolado o mesmo em um cobertor, o arrastou para dentro de casa e foi até o centro da cidade resolver algo. No dia seguinte notou que Maximiano ainda estava desacordado.
Ela teria tentado conversar com o companheiro e desconfiou que o mesmo tivesse morrido. Foi quando chamou o filho e tratou com o adolescente sobre a morte do pai combinando de sepultá-lo no chiqueiro convencendo o garoto a não comentar sobre o assunto. Foi quando Judite passou a espalhar a história da viagem e sempre falava em saudades e afirmava para os familiares dele sobre constantes contatos telefônicos com o companheiro.
Na localidade, todos já começavam a desconfiar da história da mulher a qual, na última segunda-feira, decidiu contar a verdade para um primo dela que reside em Brasília. Ela não esperava é que o seu próprio parente ligasse para familiares do vaqueiro contando o que tinha acontecido. Imediatamente, o fato foi levado ao conhecimento da polícia quando o delegado Sérgio Pereira a chamou para uma conversa. A cada instante, a autoridade policial percebia contradições no que narrava Judite. Para que tudo fosse passado a limpo, ele quis saber o contato telefônico de Maximiano o qual, estranhamente, foi negado e a mulher não demorou a confessar o crime com bastante frieza, mas por motivos ainda desconhecidos. Após isso o clima se tornou tenso já que familiares do vaqueiro tentaram linchar mãe e filho o que não ocorreu devido a intervenção da polícia. Por questões de segurança ela deverá ser transferida para a cadeia de Barbalha, onde existe, inclusive, cela feminina.




VÍTIMA

Fonte/Demontier Tenório/Site Miséria/Fotos: Michel Dantas
Reações:

Sobre o Diário de Riachão

Publicidade

Postar um comentário Blogger

Comente esta notícia

 
Top