Menu

Diário de Riachão Diário de Riachão Author
Title: Conta da água deve subir 8,67% na Paraíba
Author: Diário de Riachão
Rating 5 of 5 Des:
A Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa) apresentou ontem, em audiência pública, em João Pessoa, a proposta de 8,67% de reajuste...
A Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa) apresentou ontem, em audiência pública, em João Pessoa, a proposta de 8,67% de reajuste para a tarifa de água dos consumidores paraibanos. O índice, acima da inflação medido pelo IPCA dos últimos 12 meses, será avaliado na próxima semana pela equipe da Agência de Regulação do Estado da Paraíba (ARPB), que tem a missão de homologar ou não a proposta.

O diretor-presidente da ARPB, José Otávio Maia de Vasconcelos, prevê que aprovação do aumento deverá ser divulgada até o dia 11 de novembro.

O reajuste é linear e atinge tanto as residências quanto setores do comércio, indústria e serviço público, mas os consumidores que pagam a tarifa social ficarão de fora.

Mensalmente, a Cagepa emite 800 mil contas de água, sendo que deste total apenas 4% (32.000 usuários) não irão arcar com o acréscimo no consumo, porque se enquadram na tarifa social, que continua congelada em R$ 10,65.

Contudo, a maioria dos clientes da Cagepa (768.000 unidades consumidoras) deverão pagar mais caro pelo uso da água.

Segundo o presidente da Cagepa, Deusdete Queiroga, o índice apresentado como proposta na audiência pública no auditório da Companhia de Desenvolvimento da Paraíba (Cinep) tomou como base um estudo que considerou a previsão de despesas e receitas para o próximo exercício da companhia, além da inflação acumulada entre maio de 2012 a setembro de 2013 (17 meses).

Neste estudo, segundo Deus- dete Queiroga, foram incluídos os gastos de exploração e manutenção dos sistemas em funcionamento. “As tarifas precisam cobrir as despesas operacionais da companhia. Este percentual é inferior à inflação de maio de 2012 a setembro de 2013, que foi de 8,72%”, lembrou.

ÚLTIMO REAJUSTE

O último reajuste da tarifa de água na Paraíba foi de 7,69% e passou a vigorar no dia 10 de agosto de 2012. Na época, a empresa pediu um percentual maior (9,67%). Ao passar pela análise da ARPB, o reajuste caiu dois pontos percentuais da proposta inicial. Caso a companhia tivesse considerado apenas a inflação dos últimos 12 meses, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o percentual seria menor (5,86%).

O presidente da ARPB, José Otávio Vasconcelos, disse que ainda é cedo para se afirmar se os 8,67% solicitados pela Cagepa serão aprovados pela agência. “A proposta apresentada será protocolada e enviada à ARPB, devendo ser analisada na próxima semana. Acredito que no dia 11 já estaremos com esta definição, mas provavelmente este índice será aprovado”, revelou.

Deusdete Queiroga afirmou que o índice de aumento proposto é o necessário para equilibrar as finanças da Cagepa, que, segundo ele, ainda enfrenta de 8% a 10% de inadimplência e não conseguiu equilibrar seu fluxo de caixa. “No ano passado, inclusive, ingressamos com 105 ações na Justiça cobrando R$ 134 milhões de grandes devedores privados e públicos e esperamos que isso surta algum efeito”, frisou.

EMPRÉSTIMO DA CAIXA

Um dos principais gargalos que a empresa enfrenta é com a quitação dos débitos bancários. Sobre o processo de empréstimo com a Caixa Econômica Federal, no valor de R$ 123 milhões, Deusdete Queiroga afirmou que até o final da próxima semana este processo já esteja concluído. Ele frisou que na última terça-feira, o Comitê da Caixa, em Brasília, aprovou o empréstimo. “Esta resolução, que aprova, vem à Paraíba e a expectativa é que na próxima semana a gente já feche esta operação. A aplicação do recurso é exclusiva para quitar dívidas bancárias com instituições financeiras”, disse Queiroga.

CAGEPA ESTÁ ENTRE AS 1.000 QUE MAIS FATURAM NO PÁIS

Mesmo tentando equilibrar as finanças, a Cagepa foi uma das empresas do país listadas no “Valor 1000”, anuário do jornal Valor Econômico que inclui as mil empresas que apresentaram a maior receita líquida anual. Em 2012, a Cagepa registrou uma receita líquida de R$ 434,7 milhões, com uma variação 11,8% sobre o ano anterior e lucro líquido de R$ 700 mil. No anuário, ela ocupou a 771ª posição no ranking das melhores do Brasil e é a única da Paraíba.

O presidente da companhia, Deusdete Queiroga, explicou que, apesar das dificuldades, o trabalho desenvolvido na empresa busca o equilíbrio financeiro e que hoje o faturamento mensal na companhia atinge R$ 40 milhões.

“Quando assumimos a empresa em 2011 vimos que no exercício 2010 a Cagepa teve um prejuízo de R$ 54 milhões. Em 2011, a perda foi reduzida para R$ 14 milhões e agora em 2012 já tivemos um lucro de R$ 700 mil”, contou.

Para controlar o caixa, Deusdete Queiroga disse que precisou aplicar algumas estratégias na tentativa de diminuir perdas. Uma delas foi promover um plano de demissão voluntária que afastou 114 servidores e ainda outra que reduziu gastos com cargos comissionados.

“Em 2010, por exemplo, a despesa com cargo comissionado foi superior a R$ 9 milhões e em 2011 caiu para R$ 3 milhões ao ano.

Estamos fazendo o que é possível, mas por outro lado fazemos um esforço grande na redução de perdas, com instalação de hidrômetros para que o consumidor pague pelo que realmente usa. Isso gera um acréscimo à receita líquida, tanto é que o Valor Econômico mostra um acréscimo de 11% entre 2011 e 2012.

E se a gente conseguiu crescer isso foi devido à busca pela eficiência”, enfocou.

OUTRAS EMPRESAS

Além da Cagepa, o anuário “Valor 1000” citou as empresas Armazém Paraíba, Coteminas e a Alpargatas, com atuação no Estado. O Armazém Paraíba, com matriz no Piauí, apresentou uma receita líquida de R$ 728,7 milhões no ano passado e ficou na 522ª posição no levantamento do Valor Econômico.

A Coteminas, com sede em Minas Gerais, é listada pela segunda vez no anuário e ocupou a 205ª colocação, com receita líquida de R$ 2,045 bilhões em 2012, enquanto a Alpargatas, sediada em São Paulo, mas com forte produção na Paraíba registrou receita de R$ 3 bilhões, ficando na 144ª posição.

jornaldaparaiba
Reações:

Sobre o Diário de Riachão

Publicidade

Postar um comentário Blogger

Comente esta notícia

 
Top